Panorama Gerard Richter no Tate Modern

Gerard Richter foi um dos primeiros artistas alemãs a enfrentar o tema do socialismo em suas obras autobiográficas. Nascido em Dresden, em 1932 em uma família de classe média, muitos de seus parentes estavam envolvidos no movimento nazista; irmão de sua mãe, Rudi, morreu um jovem oficial nazista, enquanto a tia deficiente de Richter foi presa em um campo de eutanásia de Hitler.

Só pode ser por essa razão que a ideologia rigorosa e a morte o tenham assombrado desde que era apenas uma criança.

Richter teve o apoio de sua mãe para se tornar artista e ainda durante sua adolescência estudou na Academia de Arte de Dresden, na Alemanha Oriental comunista. Anos mais tarde, e alguns meses antes da construção do Muro de Berlim, ele e sua esposa conseguiram fugir – com apenas uma mala – para Düsseldorf, na Alemanha Ocidental.

No panorama do Tate Modern, o artista aborda também o assunto tabu dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

A mostra começou dia 6 de outubro deste ano e vai até 8 janeiro de 2012.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s